Recensión: Susana Sanches Arins, SuperUlex


Título: SuperUlex

Autora: Susana Sanches Arins

Editorial: Cuarto de inverno

ISBN: 9788412160420

Nº de páxinas: 249 páxs







Sinopse:


A químio afastou a Clara da sua escola durante semanas, mas ao regressar, tudo nela mudou. Já não é a mesma e não pode ficar indiferente perante as injustiças e atropelos que acontecem à sua volta, venham de quem vier. A sua força e reflexos viram-se afetados de jeito descomunal, tanto que nem ela mesma é capaz de os controlar. Deixou de ser Clara para se converter, com a ajuda da avó Rorita e da tropa fandanga, em SuperUlex, a heroína que todas estávamos a aguardar.

Moitas veces vinculamos a figura dos superheroes con seres indestrutibles, que non sofren ni padecen mal ningún e que non teñen que enfrontarse ós problemas diarios do resto de "mortais". Non esquezo tamén engadir que na meirande parte dos casos, por non dicir "sempre", vinculamos a figura do superheroe co sexo masculino ou cun ser doutra galaxia, nunca cunha muller. O que teño claro é que o meu concepto de heroína identifícase completamente coa protagonista da nova novela de Susana Sanches Arins, SuperUlex, publicada por Cuarto de inverno.


O íntimo é público. Não, não era assim. Isso é a rejouba. Não. O privado é político. Isso é. Para sermos superoínas nos tempos que correm, havemos de ser publicamente. A vingança é privada. A luita para melhorar o mundo, política. E visível, senhores heróis.


Sorprendeume gratamente a heroína que protagoniza esta historia pola verdade que hai nela. Clara, ou SuperUlex, é unha rapaza que sufriu un tratamento de quimioterapia que fixo que a súa vida mudase por completo. Cambiouna fisicamente, o seu carácter, a súa perspectiva sobre as cousas da vida e, quizá o máis importante, as opinións e expectativas que tiñan os demais en relación con ela. Clara é polo tanto fráxil, tanto en aparencia como a ollos dos demais, e isto marca tamén a súa relación con ela mesma.


Percorro o corpo, e mesmo permanecendo nele as velhas marcas, custa-me reconhecê-lo. Há estrias do meu inchar e desinchar medicoso. A palidez não é a minha brancura de antes: é como se alguém me tirasse o pelejo todo e mo pusesse do invés, com as costuras fora. Ou não. É como se alguém me desse mil centrifugados na máquina de lavar e me tirasse dela descolorida e gasta. Murcha. Visto quilómetros de pele murcha. Florzinha podre no espelho que não sou eu. Que não quero ser eu. E não deixo de (me)refletir.


Clara é evidentemente fráxil, sen embargo, pese a todo ese sufrimento derivado da enfermidade, no seu interior hai tanta forza e intelixencia que temos a sensación durante toda a obra de que realmente é a única que non está enferma. É a única persoa que enfrontase ás inxustizas sociais xunto cos seus amigos, a protagonista de interesantísimas reflexións e unha rapaza que fai das súas limitacións a súa mellor arma contra o mundo.


As pessoas adultas perderam toda a minha admiração, todo o meu respeito. As adultas têm medo. Um medo atroz. Paralisante. Tomam as decisões da vida guiadas só polo medo. Não atendem a outras possibilidades. A alegria, por exemplo. Ou o conforto. E, sobre todo, a justiça. Entre medo e justiça, sempre as vejo escolher medo.


Não estávamos bonitas nas fotos. Não se tratava disso. Nem era por ser eu a fotógrafa. Mostrámonos orgulhosas. Sem termos os olhos visíveis, anteface de superoínas, mantemos a vista ao frente, ombros atrás, queixo altiveiro, à procura do futuro.

Não, à procura do futuro não. A enxergar claramente um futuro melhor e a caminhar para ele.


As heroínas de verdade son aquelas que combaten unidas, as que viven nun mundo que constantemente dificulta o seu avance, son as abandeiradas da igualdade e aquelas que aproveitan aqueles poderes que nacen das (aparentes) debilidades. Sen dúbida, Susana Sanches Arins escribiu unha fantástica novela de superheroínas, daquelas que son realmente necesarias na nosa sociedade.



Soy un párrafo. Haz clic aquí para agregar tu propio texto y edítame. Es muy sencillo.

Goodreads
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon

Versos do día

Suscríbete
Sígueme

«pequena occidental,

confías na historia das palabras

porque nunca puideches confiar na dos homes»

    Alba Cid, Atlas (Galaxia, 2020). (Fragmento)

Premio Nacional de Poesía Xove Miguel Hernández 2020